Veteranos e o show de Jiu-Jitsu no Rio

O Internacional de Másters e Sêniors de Jiu-Jitsu é um dos campeonatos mais esperados pela velha guarda da arte suave. Desde que foi criado, em 1999, diversos campeões mundiais e muitos coroas cascas grossas já participaram do evento. Mas nos dois últimos anos, o evento vinha sendo ofuscado pelo novato Rio Internacional Open de Jiu-Jitsu, evento que ocorre paralelamente ao Masters e Seniors. Este ano, porém, a Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu (CBJJ) acertou o cronograma e os veteranos mais uma vez tiveram o destaque que merecem.

Entre sorrisos, abraços e muitas histórias para contar, o resultado foi o que menos importou para alguns. Para outros, como Carlos Henrique, faixa-preta e líder da equipe Brazil 021, lutar foi mais que um prazer, foi superação. Em 2009, Carlos Henrique foi baleado no bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro, sobreviveu e hoje foi aplaudido de pé ao chegar na final da categoria pesado do Sênior 1. A derrota por 9×0 para Roberto Gordo, líder da Gordo Jiu-Jitsu, teve sabor de vitória para quem há poucos meses esteve entre a vida e a morte. Já Gordo, inventor da meia guarda, deixou seus alunos de Jiu-Jitsu e MMA muito orgulhosos.

No Sênior 1, o policial civil Paulo Peposo Cury conquistou o tricampeonato na categoria super pesado e ficou feliz, de participar da competição, mesmo sem ter conseguido treinar. “Luto há 10 anos este campeonato. Não consegui me preparar, mas não podia ficar de fora. Agora tenho seis títulos, são três no master e três no senior”, revelou o mineiro. E o que falar dos cascas-grossas da Nova União Rafael Carino e André Marola? “Bate a foto aqui cara. É a velha guarda do Jiu-Jitsu, fizemos três lutas cada e fechamos a categoria pesadíssimo”, dizia Marola, com um sorriso que não cabia mais no rosto. É claro que nós atendemos o pedido.

No Sênior 2, o grande destaque foi a dupla Adilson Brites, o Juquinha, e o Wellington Megaton. Os veteranos da Gracie Humaitá venceram suas respectivas categoria, como fizeram em 2009, e esperam repetir o feito do ano passado, quando fecharam o absoluto. “Se Deus quiser isso irá acontecer de novo este ano”, disse Juquinha. No Sênior 3, o incansável Helvécio Penna, que aos 49 anos conquistou recentemente o Estadual do Rio entre os adultos, faturou a categoria pesado e amanhã parte em busca do bicampeonato absoluto. “Eu ia lutar no adulto também, mas eu estava com uma contusão no joelho que me atrapalhou na preparação”, revelou o faixa-preta de Ricardo De La Riva. Quem também brilhou no Sênior 2 foi Alexandre “Gigi” Paiva. Um dos líderes da Alliance, que fabricou nomes como os campeões mundiais Fernando Tererê e Leonardo Leite, finalizou todas as suas lutas e ficou com o ouro na categoria médio.

Telles que repetir desempenho de 2009

No Máster, o campeão peso e absoluto em 2009, Eduardo Telles, foi o destaque da categoria meio-pesado. O inventor da esquisitíssima guarda tartaruga, fez quatro lutas, vencendo na final André Bastos (Nona União) por 7×0. “Ano passado venci no pesado, mas este ano desci de categoria. Espero conquistar o bicampeonato absoluto no master amanhã”, declarou o campeão, que, diferente do ano passado, não irá lutar entre os adultos. “Ano passado eu fiz quatro lutas antes de lutar no adulto. Peguei a garotada fresquinha”, brincou.

Hexacampeão mundial de Jiu-Jitsu, Saulo Ribeiro estava afastado das competições de quimono há três anos, desde que ficou com a prata no Mundial de 2007, naquela que foi a sua décima primeira final de mundial. Casca-grossa consagrado, Saulo veio de San Diego para buscar seu primeiro título entre os “coroas”, e fez bonito. Com três finalizações Saulo levou o ouro na categoria dos pesados.

Quem também lutou bem, e venceu, foi Bruno Bastos. Radicado em Dallas, Bruno está no Brasil há uma semana, mas não consegue se afastar das competições. Em sete dias, o faixa-preta da Nova União subiu duas vezes ao pódio, desta vez ele faturou a categoria super pesado máster. No galo, o campeão foi Pablo dos Santos, enquanto Felipe Costa ficou com o título entre os plumas. No pluma, Frédson Alves somou pontos valiosos para a Gracie Humaitá ao conquistar o ouro. O pena foi para Gabriel Wilccox e o médio ficou com Adriano Silva, da Barbosa Jiu-Jitsu.

Leo Nogueira e Rodolfo Vieira fazem final do Rio Open

Pelo segundo ano consecutivo, Rodolfo Vieira chega a final do absoluto do Rio Open. Ano passado, o casca-grossa da GFTeam perdeu a final para Braga Neto, mas este ano parece estar disposto a não perder a batalha. “Espero que dê tudo certo. A expectativa são as melhores, eu treinei muito e não quero perder este título novamente”, disse Rodolfo, que venceu três lutas por finalização, inclusive na semifinal contra Fabiano Souza (Alliance), quando aplicou um estrangulamento pelas costas.

Mas do outro lado Rodolfo irá encarar a pedreira Leonardo Nogueira, da Alliance. Apesar de vencer as três lutas que fez hoje por pontos, Leo mostrou um jogo consistente e maturidade para buscar seu primeiro título. “Ano passado foi o meu primeiro de faixa-preta. Estou bem mais maduro agora, mais focado e quero este título”, revelou o campeão mundial na faixa marrom.

Amanhã acontecem todas as categorias do adulto e todos os absolutos do masters e seniors, além da final do absoluto adulto. Clique aqui e confira uma galeria de fotos do Rio Open e do Internacional de Másters e Sêniors e fique ligado na TATAME para saber tudo o que está rolando no Tijuca Tênis Clube.

Tatame
Por Eduardo Ferreira
Colaborou Gláucia Arakaki