O exército da melhor idade

“…”
“Helvecio Penna, de 49 anos, teve o primeiro contato com as artes marciais aos cinco anos de idade, quando sua mãe o matriculou no Judô, onde se tornou um competidor de sucesso, com passagem pela seleção brasileira, entre títulos estaduais e mundiais na faixa preta. Aos 31 anos, o lutador procurou o Jiu-Jitsu para se diferenciar nas competições de Judô e nunca mais largou. Aos 42 anos, recebeu a faixa preta das mãos de Ricardo De La Riva e a vontade de competir voltou a despertar em Helvecio, que foi campeão do Internacional de Máster e Sênior por cinco anos consecutivos (2004 a 2008), voltando a conquistar o mesmo titulo esse ano, após uma grave contusão no joelho que o afastou dos tatames em 2009.
Apesar de dar aulas de Educação Física em um colégio particular no Rio de Janeiro, e aulas de judô em um projeto social em uma comunidade carente, o faixa preta está todo dia pontualmente às sete horas da manhã no tatame para treinar. O casca grossa não sai para trabalhar sem dar uns treinos antes, algo que faz puramente por amor, já que o jiu- jitsu não lhe rende dinheiro. Será que o fato de Helvecio não ter retorno financeiro através da arte-suave não o desmotiva? “É amor, eu não consigo parar, é como se fosse uma doença, o vicio por adrenalina, a coisa de estar ali e ver as pessoas, tenho a competição no sangue. Gosto de competir em alto nível e buscar a superação”, comentou Helvecio.
Superação é a palavra chame para definir Helvecio. O atleta teve que lutar contra várias lesões que ainda o acompanham, provou que não existe idade para começar e nem para competir em alto nível e ainda tem fôlego para se arriscar entre a garotada da categoria adulto. Em 2006, fez uma das melhores lutas do Mundial, nas quartas de final, contra Xande Ribeiro, e vendeu caro a derrota para Xande, que se sagrou campeão em cima de Roger Gracie. “ Lutei com ele e durante oito minutos permaneceu 0 a 0, mas acabou que eu fiquei cansado e não consegui agüentar o ritmo, pois o Xande estava impossível naqueles anos. Ele foi campeão finalizando todos em menos de três, menos o Roger e eu, que agüentei enquanto pude, mas não resisti a um triangulo após mais de oito minutos de batalha” relembrou Helvecio.
Xande Ribeiro, que está prestes a se tornar um máster, quando lembra desse combate sente orgulho de Helvecio Penna e espera seguir o exemplo do vovô-garoto. “Ele serve de inspiração para mim, é um dos caras mais fortes que eu já lutei, ele luta no Sênior 3, é da velha guarda, Jiu-Jiteiro e cai na porrada com a gente. Esses caras são exemplos. Se eu puder chegar na idade do Helvécio fazendo o que ele faz e me divertindo, vou me sentir muito realizado.”
“… Helvecio não tem planos de parar de competir, pretende ainda trocar muita força com a rapaziada da nova geração e tem planos ambiciosos. “Enquanto minhas lesões permitirem, vou lutar. Agora estou meio no estaleiro e pretendo competir no adulto talvez só no ano que vem. Meu maior objetivo é estar no Mundial de 2011 e brigar para ser campeão. Não quero ir a passeio. Sou perseverante e sempre acredito que vou chegar lá, acredito que posso ser campeão mundial adulto, e se eu não conseguir, isso fará com que eu continue e me mantenha motivado a conseguir bons resultados na minha categoria de idade e as vezes no adulto”, finalizou Helvecio, que este ano foi campeão estadual lutando no adulto.”

Revista Tatame

Escrito por Erik Engelhart